Archive for the ‘pesquisa’ Tag

pirataria na internet – Desconexão de acusados por download ilegal

NOVO ENDEREÇO: www.rgvwebseo.com.br

 

Planos de forçar provedores do Reino Unido a desconectar suspeitos de download ilegal foram rejeitados por 68% dos cidadãos do país. Para eles, ao menos um processo legal em tribunais seria necessário antes, caso ocorressem mesmo as punições.

É o que mostra levantamento da empresa de pesquisas YouGov, na primeira vez em que a opinião pública foi verificada para esta temática, diz o jornal “The Guardian”.

Peter Mandelson, conhecido como Lord Mandelson, o secretário de Negócios britânico e autor da proposta, “claramente” está “na contramão da opinião pública e deveria repensar”, diz Jim Killock, diretor-executivo o Open Rights Group, organização que encomendou o estudo.

Além disso, a questão representa até algo delicado para as eleições: 44% dos entrevistados consideram que a desconexão afetaria de forma negativa seu voto para um partido que defendeu essa política.

No entanto, ainda 16% eram a favor de punições automáticas baseadas em denúncias de proprietários de direitos autorais.

De todo modo, o ministro para internet do país, Sion Simon, afirma que o governo não vai permitir desconexão arbtitrária e que “o infrator (que pode ser, por exemplo, uma criança) frequentemente não é o responsável pala conexão (talvez um dos pais).”

Fonte: Folha Online

Anúncios

Desenvolva sua carreira com a ajuda das redes sociais

Entre as milhares de informações trocadas por meio de redes sociais também existem oportunidades para dar um upgrade na sua carreira. Pesquisa realizada pelo site Jobvite.com apontou que 72% das empresas planejam investir mais em recrutamento por meio das redes sociais e 68% já as utilizam como suporte nas seleções.

De acordo com a pesquisa, os sites mais consultados para recrutar profissionais, em ordem de preferência e uso, são o Linkedin, o Facebook e o Twitter. Por meio dessas redes é possível ficar conectado diretamente com quem busca profissionais no mercado. Mas não basta somente aderir aos sites e ficar esperando as empresas e recrutadores entrarem em contato: o profissional deve ser proativo, trocar informações, conhecer pessoas e divulgar conhecimento.

Na Career Center, especializada em recursos humanos, o programa de transição de carreira enfatiza a importância do networking e do marketing pessoal nas redes. Uma das recomendações é deixar o perfil sempre atualizado e público, assim pode ser achado também em outras ferramentas. Solicitar recomendações ou indicações de ex-colegas ou ex-chefes, pode dar credibilidade, principalmente no LinkedIn.

Essas ferramentas permitem que a empresa faça uma preavaliação da pessoa, identificando o perfil, os valores e os interesses dos profissionais, verificando se eles são adequados à cultura da organização antes da entrevista pessoal. Portanto, não deixe de olhar com atenção as informações que constam no perfil, tire tudo o que for inadequado e cuidado com o conteúdo que você publica.

Pesquisa publicada no Zero Hora

Redes sociais – algumas te deixam inteligentes outras mais burro

O Facebook e videogames ajudam a tornar as pessoas mais inteligentes, enquanto o Twitter e mensagens de texto têm o efeito oposto, afirmou nesta segunda-feira uma psicóloga britânica. A doutora Tracy Alloway, da Universidade de Stirling, na Escócia, estuda a “memória ativa”, função cerebral que dá às pessoas a capacidade de reter e utilizar informações.

Segundo ela, o Facebook aparentemente expande a memória ativa pela sua natureza “social”. A mente é forçada a trabalhar para manter o contato com as redes de centenas de amigos. No caso dos videogames, mesmo que eles prejudiquem a socialização, o aprimoramento mental pode ser causado por jogos que envolvem estratégia e planejamento. Jogos como o Sudoku teriam efeitos similares.

O problema do Twitter – e de quaisquer outras ferramentas “instantâneas”, como o YouTube e mensagens de texto (SMS) – é que ele é tão sucinto que “sua atenção é reduzida e seu cérebro não precisa se dedicar e não aprimora conexões entre os neurônios”.

– No Twitter você recebe uma corrente permanente de informação, mas é tudo muito sucinto. Você não precisa processar essa informação – disse Alloway, admitindo que não há estudos que comprovem sua afirmação, que por enquanto é apenas uma “hipótese”. Segundo o Times Online, ela pretende iniciar um projeto de pesquisa sobre o caso em janeiro.

A principal crítica ao raciocínio da Dra. Alloway diz respeito ao fato dela limitar o Twitter a mensagens de 140 caracteres. Se por um lado essa natureza “sucinta” gera muitas mensagens banais, por outro, a interatividade da ferramenta permite a inclusão de links que ampliam muito o alcance dos “tweets”. Ou seja, o Twitter é o que você faz dele.

A Dra. Alloway falou no Festival Britânico de Ciência, na Universidade de Surrey, sobre seu trabalho em treinar crianças no aprimoramento da memória. Ela diz que sua equipe criou um programa que aumentou a performance de crianças de 11 a 14 anos com problemas de aprendizado. Segundo o Telegraph, “após oito semanas de treinos com o ‘JungleMemory’, as crianças tiveram aumentos de 10 pontos no QI e em testes de leitura e matemática”.